Selecionamos os melhores jogos brasileiros da Global Game Jam 2014

Por Henrique Sampaio | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Navegamos pelo mar de 356 jogos brasileiros criados durante a maior maratona de desenvolvimento de games do mundo e saímos com os 18 que mais gostamos

Reprodução
Global Game Jam

Mais um ano, mais uma Global Game Jam. A edição de 2014 da maior maratona de desenvolvimento de games do mundo contou, novamente, com a participação de peso do Brasil, um dos que mais produz jogos durante o evento, de todos os cantos do País.

A maior sede da Global Game Jam 2014 no Brasil foi, novamente, a PUCPR, em Curitiba, com mais de 400 "jammers" registrados. As centenas de pessoas que compareceram receberam gratuitamente pizza, frutas, energético e massagem.

Cada edição conta com seu próprio tema, revelado no início da maratona de 48 horas de duração, o qual os participantes devem seguir na produção de seus jogos. E o deste ano foi intrigante: "Nós não vemos as coisas como elas são, só as vemos como nós somos". Após algumas horas de reflexão e brainstorms, começaram a nascer os jogos, em sua maioria construídos a partir dos conceitos de percepção, identidade, visão e perspectiva. Alguns grupos chegaram às mesmas ideias (é espantoso ver a quantidade de jogos sobre esquizofrenia, por exemplo), enquanto outros partiram para outras completamente inusitadas.

Amora, do Miniboss, fala de sua experiência com game jams em nossa entrevista

Navegamos pelo mar de 356 jogos brasileiros (no ano passado foram aproximadamente 200) criados durante este final de semana na Global Game Jam 2014 e selecionamos 18 deles que mais nos chamaram a atenção. Acompanhe pela galeria e pela lista abaixo, que traz os links para suas respectivas páginas da GGJ (e com link para jogar!):

Parashoot é um simulador de queda-livre em que você deve filmar um paraquedista. Foto: ReproduçãoEm Magnetostatic, o mundo se revela apenas ao redor do protagonista, em uma jogabilidade influenciada por Super Mario Galaxy. Foto: ReproduçãoBang Boom é um jogo de plataforma sobre uma garota daltônica que enxerga seu mundo em preto e branco, como em desenhos antigos. Foto: ReproduçãoP's Quest é sobre um garoto que enfrenta monstros imaginários ao levantar da cama para ir ao banheiro. Foto: ReproduçãoEm Gemnis, você é um feto livre da influência externa que determina nossa personalidade e perspectivas. Foto: ReproduçãoI Hate My Family and I Wanna Die traz como protagonista um jovem gay deprimido pela incapacidade de sua família de compreendê-lo. Foto: ReproduçãoA descrição de The Last Hour é vaga e o jogo está incompleto, mas já supreende pela bela arte. Foto: ReproduçãoEm Legendary Space Battle Densetsu dois jogadores se enfrentam, assumindo papeis diferentes em uma batalha espacial. Foto: ReproduçãoEm Umbra a escuridão revela segredos do cenário, permitindo o progresso do jogador. Foto: ReproduçãoEm Our Way, você guia o diálogo de um casal, lidando com duas perspectivas diferentes para seus problemas conjugais. Foto: ReproduçãoEm Groundhog Day você precisa investigar uma pequena cidade inglesa e descobrir o responsável por um crime. Foto: ReproduçãoDois investigadores trabalham com diferentes perspectivas para encontrar um criminoso no adventure cômico Atentado ao Museu de Vira-Vira. Foto: ReproduçãoEm Albus três maguinhos precisam combinar suas cores para eliminar a enxurrada de inimigos que os perseguem. Foto: ReproduçãoGlory aborda o totalitarismo, colocando o jogador para eliminar todos que não compartilhem da mesma visão imposta pelo seu ditador. Foto: ReproduçãoPath of Colors é sobre alterar a cor do mundo ao redor para que obstáculos passem despercebidos. Foto: ReproduçãoThe Triad Trial nos dá o controle simultâneo de três aves, cada qual com uma habilidade única, funcionando como uma tríade. Foto: ReproduçãoEm Mono você precisa trocar a cor de sua criatura para enxergar o mundo em sua plenitude. Foto: ReproduçãoDois jogadores se atacam mutuamente para chegar ao fim de uma corrida em Rita and Lex Psycho Attacks. Foto: Reprodução


Parashoot

Neste simulador de queda-livre feito por integrantes da Hoplon e da Cat Nigiri, você deve filmar um paraquedista, o que envolve lutar contra a gravidade para conseguir os melhores ângulos.


Magnetostatic

Claramente influenciada por Super Mario Galaxy, o simpático jogo da Pocket Trap impressiona pelo grau de polimento. No controle de um robozinho que só enxerga detalhes do mundo a uma curta distância, você deve coletar imãs em planetóides, em uma jogabilidade vertiginosa.


Bang Boom

O jogo da Mechanic Lemon traz como protagonista uma garota daltônica que enxerga seu mundo em preto e branco, como desenhos animados antigos - ela até assovia como o Mickey Mouse em Steamboat Willie. Apesar da simplicidade de suas mecânicas de plataforma, é um jogo cheio de charme.


Reprodução
P's Quest

P's Quest

No jogo mobile para iOS, um garotinho acorda apertado à noite e precisa chegar até o banheiro. Para enfrentar os monstros da sua imaginação, ele conta com sua própria sombra. 


Gemnis

Um dos jogos mais estranhos da GGJ 2014, em Gemnis somos um feto que, isento dos fatores externos que determinam sua identidade, precisa encontrar objetos que representam gostos e personalidade de diferentes indivíduos.


I Hate my Family and I Wanna Die

O jogo de plataforma conta a história de um jovem homossexual deprimido na Inglaterra vitoriana, cuja família não compreende sua sexualidade. Apesar da simplicidade e rigidez de suas mecânicas, a arte e a premissa acabam compensando a criação.


The Last Hour

Ainda bastante incompleto, The Last Hour chama a atenção pelo seu visual. Pela descrição da equipe, contudo, não fica muito claro como o tema foi trabalho.


Legendary Space Battle Densetsu

Com participação de Glauber Kotaki e Rafael Ventura, que trabalharam em Rogue Legacy e Skullgirls, respectivamente, o jogo coloca dois jogadores para se enfrentarem com papéis e habilidades diferentes, em que ambos são, ao mesmo tempo, caça e caçador.


Umbra

A escuridão é sua companheira em Umbra, um jogo de plataforma simples com um belo visual pixelado.


Reprodução
Our Way

Our Way

Um simulador de "DR". Questões conjugais e a ambiguidade das perspectivas de dois indivíduos ficam claras neste jogo sobre conversas, onde o jogador determina não apenas as respostas e perguntas de um único lado, mas dos dois.


Groundhog Day

Jogo de investigação minimalista com todo o charme da pixelart. Na pele de um investigador, o jogador deve ouvir diferentes (e contrastantes) opiniões sobre um crime e tentar identificar um culpado.


Atentado ao Museu de Vira-Vira

Criado por Santo, do Miniboss, em parceria com alguns dos criadores de Qasir al-Wasat, Atentado ao Museu de Vira-Vira também é sobre investigação, mas traz uma abordagem diferente da de Groundhog Day, tanto em jogabilidade, que remete a Phoenix Wright, quanto em seu texto e estilo, mais cômico e cartunesco.


Glory

Aparentemente inspirado em Papers, Please, Glory coloca o jogador no papel de um agente de um governo totalitário cuja missão é eliminar todos aqueles que possuem opiniões contrárias àquela imposta pelo ditador.


Albus

Com participação de Saulo Camarotti, da Behold Studio, Albus pode ser jogado por até três jogadores, que devem combinar suas cores para eliminar a horda de inimigos que os perseguem.


Path of Colours

Neste runner minimalista, é preciso alterar a cor do mundo para que obstáculos se tornem imperceptíveis.


Reprodução
The Triad Trial

The Triad Trial

Com belas ilustrações, em The Triad Trial controlamos simultaneamente três pássaros, que precisam agir em conjunto para escalar uma torre.


Mono

A criatura deste jogo monocromático precisa alternar entre o preto e branco para enxergar o cenário em sua plenitude e superar seus desafios de plataforma.


Rita and Lex Psycho Attacks

Dois jogadores se atacam mutuamente, usando powerups, para chegar ao fim de uma corrida, nesta mistura de runner e plataforma.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas